‘Proteger Teresópolis Rural’: Lançado projeto que une Prefeitura e UNIFESO no diagnóstico da agricultura para a construção de políticas públicas para o setor

You are currently viewing ‘Proteger Teresópolis Rural’: Lançado projeto que une Prefeitura e UNIFESO no diagnóstico da agricultura para a construção de políticas públicas para o setor
Representantes da Prefeitura e do Unifeso e estudantes envolvidos no Proteger Teresópolis Rural
Compartilhar:

Também são parceiros a Secretária Estadual de Agricultura e a Emater-Rio 

Lançado nesta terça-feira, 03/08, o projeto Proteger Teresópolis Rural, uma realização do Centro Universitário Serra dos órgãos (UNIFESO) em parceria com a Prefeitura, pretende mapear a atividade agrícola, construir uma ampla base de dados pormenorizada do setor e colaborar com a construção de políticas públicas e privadas para o desenvolvimento da agricultura no município.

A proposta do trabalho conjunto, que une as secretarias municipais de Agricultura, de Meio Ambiente, de Saúde e de Defesa Civil, e também a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento e a Emater-Rio, é fazer um diagnóstico socioeconômico da agricultura, abrangendo as questões sanitárias, produtivas e ambientais da atividade agrícola de Teresópolis.

Os números mostram o potencial do município e a importância da atividade agrícola como geradora de renda, na fixação do homem no campo e no abastecimento de alimentos no estado do Rio de Janeiro. Dados oficiais destacam Teresópolis como o maior produtor de hortaliças no estado do Rio de Janeiro (Emater-Rio 2017). Em 2018, foi apontado como o 2º maior PIB da Região Serrana e o 1º colocado no PIB do setor agropecuário (Observatório do Trabalho-RJ 2021). São 3.492 estabelecimentos entre lavouras permanentes e temporárias e a produção de flores, com 8.094 pessoas lotadas (IBGE 2017) e 4.879 produtores rurais, com uma produção de 160.707 toneladas/ano e faturamento superior a R$ 178,5 milhões de reais (Relatório de Acompanhamento Sistemático da Produção Agrícola da Emater-Rio – 2020).

“A nossa agricultura mostra a sua grandeza com uma produção diária expressiva que movimenta a economia local, regional e estadual, garantindo alimento nas nossas mesas. Essa união entre academia e poder público é fundamental para gerar indicadores que resultem em ações efetivas de incentivo à produtividade, aliada à preservação ambiental, com geração de novos negócios, emprego e renda”, avaliou o Prefeito Vinicius Claussen.

A coordenadora do projeto é a zootecnista Renata Soares Tavares da Silva, professora no curso de Medicina Veterinária do Unifeso. “O banco de dados existente contém informações macros sobre números de produtores, da produtividade e de estabelecimentos rurais, mas não levanta de forma pormenorizada a situação da agricultura do município. O projeto fará um diagnóstico detalhado, que servirá como base para o município identificar gargalos, desafios e oportunidades de toda a atividade agrícola e gerar políticas públicas que possam auxiliar o desenvolvimento regional socioeconômico e ambiental de Teresópolis”, pontuou.

Para o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, o Proteger Teresópolis Rural tem tudo para se tornar exemplo e ser implantado em outros municípios. “O mais importante em um trabalho como esse é a união entre a academia e o poder público. Um paradigma do Governo do Estado é abraçar iniciativas bem sucedidas e, para mim, esse é um projeto que, tudo indica, será replicado em outros municípios fluminenses, e esse protagonismo é de Teresópolis”, opinou Marcelo Queiroz.

Preservação ambiental e investimentos

Os dados serão coletados por 10 estudantes dos cursos de Medicina Veterinária e 7 de Nutrição, com apoio do poder público. Os universitários participarão de atividades de campo, com visitas às propriedades do 2º e do 3º Distritos para entrevistar produtores e trabalhadores rurais.

“A coleta de informações e a construção de indicadores servirão não só para a elaboração de políticas públicas de incentivo ao setor, mas também para atrair investidores e empresas pelo potencial agrícola do município. Também serão coletados dados ambientais, principalmente sobre a proteção dos recursos hídricos, para que o poder público invista mais em iniciativas que assegurem a sustentabilidade da atividade”, comentou Fernando Mendes, subsecretário municipal de Agricultura.

Outro viés do Proteger Teresópolis Rural é contribuir para a implementação de uma política municipal de pagamento por serviços ambientais. A proposta é que, com base na Lei Federal 14.119/2021, os proprietários rurais recebam uma remuneração em troca de preservar os bens naturais de sua propriedade, como matas, nascentes e cursos d’água.

“O projeto vai levantar informações para que possamos desenvolver diversas políticas públicas. Entre elas, uma base de dados para possibilitar a identificação dos produtores de água no município. Com isso, no momento em que for instalado o pagamento por serviços ambientais, o poder público saberá quais pessoas têm direito a receber e o montante de recursos cada propriedade terá direito”, explicou Flavio Castro, secretário de Meio Ambiente de Teresópolis.

Fotos: Bruno Nepomuceno