Programa ‘Calçada Acessível’: servidores da Prefeitura experimentam a rotina de pessoas com deficiência

Os servidores da Prefeitura de Teresópolis viveram uma quarta-feira diferente. Na manhã deste dia 5, o workshop do ProgramaCalçada Acessível’ fez com que equipes técnicas de secretarias municipais experimentassem, na pele, como é a vida de uma pessoa com deficiência. O programa retoma a parceria com a Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) e a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) para implantação do Projeto Mobilidade UrbanaProgramaCalçada Acessível’ em Teresópolis.

O Prefeito Vinícius Claussen acompanhou a ação e pôde observar os desafios que as pessoas com algum tipo de limitação vivenciam nas ruas de Teresópolis. “Este é um projeto que a Firjan já implantou em mais de 20 municípios do Rio de Janeiro e nós estamos somando forças para trazer também para nossa cidade. Sabemos que a locomoção das pessoas na cidade é muito importante e existem várias barreiras que precisam ser corrigidas. Com esse projeto, tendo esse cuidado com a cidade, estaremos incluindo e dando acesso às pessoas que precisam”, disse.

“Esse projeto é uma ação que faz parte de um grande projeto da Prefeitura de implantar um plano de mobilidade urbana cuja prioridade é o pedestre”, completou Mara Bastos, subsecretária de Projetos Especiais.

O especialista de desenvolvimento setorial da Firjan, Luiz Gustavo Guimarães, ressaltou como a experiência vivida no workshop do ProgramaCalçada Acessível’ gera conhecimento prático aos envolvidos. “Usamos a acessibilidade para criar uma discussão saudável dentro do município para que a gente possa olhar todos os detalhes da mobilidade a pé para que o espaço urbano seja mais democrático”, destacou.

Workshop ProgramaCalçada Acessível

Participaram da experiência representantes das secretarias de Segurança Pública, de Desenvolvimento Social e de Turismo, além da subsecretária de Projetos Especiais. A proposta foi que eles experimentassem as dificuldades enfrentadas pelos cadeirantes e pessoas com deficiência visual.

O diretor do escritório de Projetos Especiais, Leilson Felício, participou do workshop simulando uma deficiência visual. “Foi muito difícil fazer o trajeto com os olhos vendados. Não temos calçadas adequadas para que pessoas com essas deficiências possam andar livremente. Por isso, esse projeto é fundamental para Teresópolis”, relatou.

O projetista Claudio de Paula foi surpreendido pela ação enquanto caminhava e aprovou a iniciativa. “Eu acredito que esse programa é excelente. Se todos ajudarem, vai ser um benefício enorme para os necessitados”, disse.

O gerente da Associação Brasileira de Cimento Portland, Eduardo Dávila, explicou o motivo da simulação de cadeirantes e pessoas com deficiência visual no workshop. “Esse grupo de pessoas representa, quase que na totalidade, as maiores dificuldades que podemos perceber nas calçadas. Acredito que, quando se projeta alguma coisa que atenda essas duas deficiências, se está projetando de uma forma que atenda a todos”, finalizou.