Cultura discute saída para a crise

Representantes do Poder Público e Sociedade Civil tomam posse no Conselho Municipal de Políticas Culturais para o novo biênio

Realizada nesta quinta-feira, 29, no Teatro Municipal, a reunião ordinária do Conselho Municipal de Políticas Culturais deu posse aos representantes titulares e suplentes do Poder Público e da Sociedade Civil para os próximos dois anos. O órgão tem caráter paritário e é composto por 12 membros titulares. É presidido pelo secretário municipal de Cultura, Márcio de Paula, e tem como vice-presidente Arnaldo da Silva Almeida, presidente do Fórum Municipal de Cultura, representando a sociedade civil.

Foram discutidos temas como o Plano Municipal de Cultura, votado pelo Conselho anterior, mas ainda não transformado em lei pelos vereadores. Decenal (2013-2023), o documento precisa ser enviado pelo Prefeito à Câmara, para ser aprovado. Durante os debates, Márcio de Paula ressaltou que, nesses tempos de crise, é possível usar a criatividade, “buscando formas alternativas para incentivar e fomentar a atividade cultural na cidade”. Mas, segundo ele, há muito que se pode fazer com pouco ou nenhum recurso — como, por exemplo, aprovar leis já votadas pelo Conselho.

“Uma das mais importantes é a do Couvert Artístico Integral para os Músicos, que está parada. Por incrível que pareça, muitas casas que têm música ao vivo dividem o couvert com os artistas”, comentou o vice-presidente Arnaldo da Silva Almeida.

Conselho Municipal de Políticas Culturais

Representantes da sociedade civil indicados pelo Fórum Municipal de Cultura

  • Fernando Augusto Torres de Mello Sobrinho;
  • Hebe Rachel de Oliveira Otto;
  • Gilberto Luiz Antunes Braga;
  • Kátia Santos;
  • Wanderley Peres Jacinto;
  • Suplente: Delmo Geraldo Ferreira;
  • Suplente: Adriane Ramires de Souza.