Prefeitura faz abordagem social e acolhimento de pessoas em situação de rua

Prefeitura faz abordagem social e acolhimento de pessoas em situação de rua

Um fenômeno que cresce nos centros urbanos, fruto da desigualdade social, são as pessoas em situação de rua. Em Teresopolis, com o objetivo de ressocialização e reintegração familiar, a Secretaria de Desenvolvimento Social realiza um trabalho diário de abordagem e acolhimento dessa população através do CREAS – Centro de Referência Especializado de Assistência Social.

Todos os dias, um assistente social, acompanhado de outros funcionários da secretaria, sai às ruas para conversar, convencer e encaminhar os que se encontram dormindo nos espaço públicos ao Abrigo Municipal Dr. Sergio Fernandes, o Sopão. A ação é realizada de segunda à sexta, pela manhã e à noite, sempre em conjunto com a Guarda Civil Municipal.

Durante a noite, eles percorrem os bairros do Alto, Vale do Paraíso, Várzea, Agriões e Barra do Imbuí. Durante o dia, mais abordagens são feitas. Nesta quarta, 13, somente uma pessoa aceitou o acolhimento e foi encaminhada para o Sopão, onde se alimentou e tomou banho. Lá, eles recebem ainda atendimento especializado da equipe técnica do CREAS, composta por assistente social, psicólogo e advogado.

“Nossa intenção é atender a população de rua que precisa de ajuda, mas só é recolhido quem quer. Eles não são obrigados a vir conosco, porque é um direito da pessoa ficar na rua, por isso fazemos o trabalho de convencimento para alcançarmos o objetivo de ajudá-los. A maioria já nos conhece e aceita, sem resistência, o acolhimento. Alguns deles, inclusive, pedem tratamento de saúde e são encaminhados aos serviços especializados da rede pública”, comentou a assistente social Oldaléa Mello.

Para Camila Moreira, também do serviço social, a maior tarefa é conquistar a confiança da população de rua. “Geralmente eles são muito desconfiados. Nosso trabalho é de longo prazo. Aliás, toda recuperação é lenta, mas quando a pessoa quer de verdade, ela consegue. Outro fator que dificulta bastante o recolhimento deles é a generosidade das pessoas. O brasileiro é um povo solidário, então eles ganham tudo, roupas, alimentos, água, por isso muitos não querem ir para o Sopão”, relatou.

O serviço de abordagem social realiza atendimentos sociais aos moradores de rua de forma periódica e programada, não se tratando de ação só de recolhimento, mas de reinserção sociofamiliar. A ação é feita com ou sem denúncias, seguindo diretrizes da legislação vigente. Após atendimentos sociais em quantidades necessárias, e aceitando a abordagem, os indivíduos são acolhidos no abrigo ou levados para as suas residências. Se não forem de Teresópolis, são encaminhados para o município de origem.

Texto: Gisele Barreto
Fotos: Jorge Maravilha

 

Comente:

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: