Equipes de Obras e Serviços Públicos trabalham dia e noite para recuperar danos causados pela chuvas

Dados dos sistemas de pluviômetros Estadual (SEDEC) e Nacional (CEMADEN) dão conta de que, em janeiro de 2020, choveu mil por cento a mais do que janeiro de 2019. E o mês de fevereiro não fica muito atrás. Apenas no último dia 20, o volume de chuvas ultrapassou os 100 mm/hora no Parque Nacional, o que gerou um fenômeno chamado cabeça d’água (aumento rápido e repentino do nível dos rios em função das chuvas nas nascentes) e causou alagamentos e a enchente que afetou a comunidade da Ilha do Caxangá. Todo esse volume de chuvas vem causando estragos nas ruas. Muitas galerias, em função da infraestrutura defasada e sem conservação por anos, não resistiram e precisaram de intervenções emergenciais.

Equipes de Serviços Públicos trabalham ininterruptamente em turnos para dar resposta rápida às demandas. Somente em fevereiro, mais de 100 pontos de drenagem foram atendidos pela Prefeitura.  Apenas no bairro Pinheiros mais de 75 manilhas foram trocadas, recuperando o fluxo normal das galerias. Os bairros com maior número de intervenções foram Bairro dos Pinheiros, Jardim Europa, Barra do Imbuí e Várzea, entre outros.

Além dos reparos de galerias, outras nove frentes executam a limpeza das principais praças e pontos turísticos da cidade, além de uma média de 15 ruas, todos os dias, em diferentes bairros. A operação tapa-buracos também opera com duas turmas nos pontos mais críticos do município.